Colíder - Domingo, 18 Nov 2018
(66) 9.84023776
Colíder News
Banner 1 - WhatsApp Colíder News O Seu Portal de Notícias
Hora Certa
Banner 1 - NTC Net O Seu Portal de Notícias

Silval contradiz delação ao negar sociedade com Mauro Mendes

Trechos da delação de Silval Barbosa contrariam o que disse o próprio ex-governador nesta quarta-feira (12), quando negou ter sido sócio de Mauro...

14 Set 2018 às 09:02
Lázaro Thor Borges, repórter de A Gazeta
Ex-Governador Silval Barbosa Foto: João Vieira

Trechos da delação de Silval Barbosa contrariam o que disse o próprio ex-governador nesta quarta-feira (12), quando negou ter sido sócio de Mauro Mendes (DEM), candidato ao governo do Estado. Em conversa com a imprensa, Silval rebateu o que tem afirmado o governador Pedro Taques (PSDB) em sua campanha à reeleição.


“O meu irmão teve participação com ele [Mauro Mendes]. Eu nunca fui sócio do Mauro. Isso está em um dos anexos [da delação]”, disse o ex-governador, pontuando ainda que não está atuando na campanha eleitoral deste ano e que sequer poderá votar, já que está com os direitos políticos suspensos. “Eles podem falar o que quiserem, eu estou totalmente fora da campanha”, enfatizou.

Leia também - TRE suspende programa de Mendes que acusa Taques de atrasar salários

Depoimentos prestados por Silval em maio de 2017 ao Ministério Público Federal (MPF), no entanto, dão conta de que ele e Mauro Mendes compraram, juntos, uma fazenda em Nossa Senhora do Livramento, onde funcionava um garimpo de ouro, além de uma aeronave avaliada em R$ 4,8 milhões, cuja metade deste valor foi pago com dinheiro de propina.

Nos dois casos, Silval cita as palavras “sócio” e “sociedade” para se referir a Mendes e os demais membros do grupo.

No anexo 60 da delação, Silval diz que, entre 2012 e 2013, intercedeu a compra da área de garimpo conhecida como Fazenda Ajuricaba a pedido de Mauro Mendes. O então governador foi até Goiânia conversar com o proprietário da terra, Aníbal Crosara Júnior. Ficou acertado, na época, que Mendes e outros sócios teriam “prioridade” na compra. Em troca, a empresa de Aníbal, a Construtora Emsa, também teria prioridade em negócios com o governo de Mato Grosso.

Chico Ferreira

A terra, ainda segundo a delação de Silval, foi comprada por R$ 20 milhões em nome de Mauro Mendes e dos empresários Valdinei de Souza e Wanderley Torres, assim como do ex-secretário de Estado José Lacerda e de Antônio Barbosa, irmão de Silval.

No depoimento, o exgovernador detalha que a parte de seu irmão, 25%, também lhe beneficiava. Diz ainda que Mauro Mendes e Valdinei de Souza ficaram com 50%, Wanderley Torres com 20% e José Lacerda com 5%.

Silval relata que, logo após a compra da terra, se juntou a Mendes e Valdinei para adquirir um avião. Metade do valor foi pago pelo próprio Silval com, conforme seu depoimento, dinheiro de propina de uma construtora que atuava no Estado e era beneficiada pelo programa MT Integrado.

A partir da aquisição do imóvel uma sucessão de negociatas ocorreu, segundo o narrado por Silval, culminando na venda para Mauro Mendes e Wanderley Torres a parte das terras que cabia aos outros sócios.

Previsão do Tempo - Colíder

°

Máxima: °
Mínima: °

Publicidades

Outros Destaques

Publicidades

Banner 11 - Mundo das Motos
Banner 12 - Laboratório São José
Direitos Reservados |