Colíder - Sábado, 28 Mai 2022
(66) 9.9680-3949
Colíder News
Banner Whatsapp O Seu Portal de Notícias
Hora Certa
Banner Whatsapp O Seu Portal de Notícias

Brasileira detecta 25 asteroides, um deles é raro e pode estar em direção a Terra

Na maioria das vezes, os asteroides do Sistema Solar estão localizados entre Marte e Júpiter, local chamado de Cinturão Principal.

23 Jan 2022 às 05:58
PERIGO NO ESPAÇO
Foto: Reprodução

A estudante de medicina, Verena Paccola Menezes, de 22 anos, gosta de passar o seu tempo entre microscópios e telescópios.


Enquanto o primeiro, a ajuda a se tornar uma neurocirurgiã, o telescópio mostrou a medicina espacial. Foi então que ela detectou 25 asteroides e um deles é classificado raro pela órbita diferenciada que pode estar na direção da Terra.

Ao longo de sua vida, o curso técnico de enfermagem foi feito no ensino médio, na Unicamp entre os anos de 2015 e 2017. Neste momento, teve contato com o ambiente hospitalar e depois, já formada, começou a fazer pesquisas na área de neurociência computacional para crianças do espectro autista no Hospital Albert Einstein (SP).

“A ciência sempre esteve presente na minha vida. Nem lembro quando comecei a me interessar. Brinco que já nasci cientista porque, para mim, fazer ciência e ser cientista é fazer perguntas, questionar o mundo e ir atrás das respostas por conta própria, sem se contentar com o superficial. Sempre vivi dessa forma. Sempre fui uma criança muito curiosa para descobrir o mundo”, contou a estudante de Medicina da Universidade de São Paulo (USP).

No ano de 2019, ela representou o Brasil na Assembleia da Juventude nas Nações Unidas (ONU) e também se mudou para o Canadá, onde iniciou graduação em neurociência. Além disso, Verena se encontrou em um novo hobby: astronomia.

“Gostei muito disso. Depois de capacitada, comecei a usar o software que eles usam para caçar asteroides. Eu recebia imagens tiradas por um telescópio do Havaí. Cada pacote de imagens feitas pelo telescópio era composto de quatro imagens tiradas com diferença de segundos. Eu pegava esse pacote de imagens e o jogava no software que as piscava seguidamente, em ordem. Como elas tinham diferença de tempo, dava para perceber se alguma coisa se movia no espaço”, descreveu.

Assim que Verena encontrava algo se movimentando, fazia a análise numérica do objeto para ver se ele se encaixava nos padrões de um asteroide. Se o resultado fosse positivo, ela gerava um relatório e encaminhava para o centro internacional que estuda isso em Harvard (EUA) e nesse processo, detectou 25 novos asteroides.

Na maioria das vezes, os asteroides do Sistema Solar estão localizados entre Marte e Júpiter, local chamado de Cinturão Principal. Um dos asteroides detectados por Verena seguia uma órbita diferente, o que aumenta as possibilidades de sua rota coincidir com a do planeta Terra.

Acompanhe o nosso trabalho também nas redes sociais;

Siga a nossa página do Colidernews no Facebook.

Acompanhe nossas matérias no Grupo de WhatsApp.

Saiba tudo do nosso site na pagina oficial do Twitter.

Siga o Colidernews também no Instagram.

Faça parte do nosso grupo de notícias no Telegram.

Junte-se a nós também no Grupo do Colidernews no Signal.

“Agora a gente tem de ver para onde ele está indo, de forma a prever possíveis impactos com a Terra. Não sei se isso vai acontecer. A possibilidade existe, mas se a gente olhar para as dimensões do Universo, vemos que a probabilidade é muito pequena”, comentou. Inclusive, situação parecida a contada no filme ‘Não Olhe para o Cima’, na qual uma pesquisadora descobre um cometa com a rota em direção a Terra.

Fonte: Agência Brasil


Previsão do Tempo - Colíder

°

Máxima: °
Mínima: °

Publicidades

Outros Destaques

Publicidades

Supermercados Machado
Lanza Tec
Direitos Reservados |