Colíder - Terça-Feira, 09 Ago 2022
(66) 9.9680-3949
Colíder News
NetFácil Internet O Seu Portal de Notícias
Hora Certa
NetFácil Internet O Seu Portal de Notícias

Taques desqualifica trabalho do MPE e pede para não virar réu

Acusado, ex-governador diz que Ministério Público "não investigou nada" e também foi acusado

16 Out 2021 às 06:47
Thaiza Assunção l Mídia News

O ex-governador Pedro Taques (Solidariedade) pediu à Justiça a rejeição da denúncia do Ministério Público Estadual (MPE) que o acusa de participar do esquema de interceptações clandestinas conhecido como "Grampolândia Pantaneira".


 

A denúncia foi encaminhada à Justiça em maio deste ano. Nela, o Ministério Público Estadual (MPE) pede a condenação de Pedro Taques e outras cinco pessoas por prática de ato de improbidade administrativa com ressarcimento ao erário.

 

A peça ainda está pendente de análise da juíza Célia Vidotti, da Vara Especializada em Ação Civil Pública e Popular.


No pedido, o ex-governador desqualificou a denúncia do MPE afirmando que toda a acusação feita pelo órgão contra ele está baseada em acordos de delações premiadas unilaterais dos policiais militares envolvidos no suposto esquema, entre eles, o ex-comandante da Polícia Militar Zaqueu Barbosa e o cabo Gerson Luiz Ferreira Correa Junior. 

 

Taques afirmou que juridicamente toda afirmação feita por delatores premiados deve ser presumido como "falso", como "mentira", como "falácia".

 

Destacou que no caso específico, o próprio Ministério Público rechaçou as delações unilaterais, não concordando com a sua validade jurídica, apontando-as como duvidosas.

 

“Essa é uma conclusão simples: a palavra do delator não é capaz de preencher sozinha a denominada 'justa causa', apta a superar o filtro qualificado exigido para o recebimento da ação de improbidade administrativa”, diz trecho do pedido.

 

Taques alegou que o MPE poderia, no curso do inquérito civil, ter buscado elementos que corroborassem com as narrativas dos militares, mas não o fez.

 

“Em poucas palavras: pegou cópias da ação penal militar e se deu ao trabalho de apenas ouvir os investigados. Não investigando absolutamente nada”, diz trecho do pedido.

 

MPE também acusado

 

O ex-governador ainda citou que os delatores também expuseram a suposta prática de crimes por diversos membros do Ministério Público Estadual, porém, o MPE decidiu que as acusações dos militares eram falsas e desacompanhadas de elementos que a corroboram e, por isso, determinou o arquivamento das sindicâncias instauradas.

 

“Isso implica dizer que, para o MPE, o que os militares falaram em relação ao peticionário, mesmo sem apresentar nenhum elemento de corroboração, seria verdade a ponto de sustentar a propositura de uma ação por ato de improbidade administrativa, mas o que narram sobre os promotores, mesmo que apresentando documentos e outros indícios, não justificaram nem mesmo a continuidade de uma sindicância administrativa. Aqui, inverteu-se o ditado: pau que bate em Chico (Pedro Taques), não bate em Francisco (Membros do MPE)”, pontua o documento. 

 

As interceptações telefônicas clandestinas ocorreram entre 2014 e 2015, mas o esquema só veio à tona em 14 de maio de 2017, após uma reportagem veiculada pelo Fantástico, da TV Globo.

 

A denúncia

 

Também foram denunciados o  ex-chefe da Casa Civil, Paulo Taques, o ex-comandante da Polícia Militar, Zaqueu Barbosa, o ex-chefe da Casa Militar, coronel PM Evandro Lesco, o ex-secretário de Justiça e Direitos Humanos, coronel PM Airton Siqueira e o sargento da PM Gerson Corrêa. 

 

Na denúncia, o MPE  apontou seis pontos “irrefutáveis” que indicariam a participação e envolvimento do ex-governador  no esquema.

 

Entre eles, o fato das interceptações clandestinas ter iniciado em meio ao período eleitoral para o cargo de governador do Estado, que Pedro Taques disputava à época.


Acompanhe o nosso trabalho também nas redes sociais;

Siga a nossa página do Colidernews no Facebook.

Acompanhe nossas matérias no Grupo de WhatsApp.

Saiba tudo do nosso site na pagina oficial do Twitter.

Siga o Colidernews também no Instagram.

Faça parte do nosso grupo de notícias no Telegram.

Junte-se a nós também no Grupo do Colidernews no Signal.

 

“No período em questão a campanha eleitoral encontrava-se no auge, notadamente em virtude do início da permissão das propagandas eleitorais (a partir do dia 15 de agosto do ano eleitoral). É inevitável concluir, portanto, ainda mais na fase derradeira de campanha eleitoral, que qualquer informação de adversários políticos seria de extrema valia visando o êxito no pleito eleitoral”, diz trecho da ação.

 

Leia mais: 

 

MPE cita 6 pontos que indicam Taques em esquema de grampos 

 

MPE denuncia Taques, primo e mais 4 PMs por improbidade

Previsão do Tempo - Colíder

°

Máxima: °
Mínima: °

Publicidades

Direitos Reservados |