Colíder - Sexta-Feira, 01 Jul 2022
(66) 9.9680-3949
Colíder News
NetFácil Internet O Seu Portal de Notícias
Hora Certa
Banner Whatsapp O Seu Portal de Notícias

Justiça condena empresa de ex-secretário por imóvel com defeitos

Cliente citou fissuras e infiltrações

28 Mai 2022 às 05:01
Mídia News
Reprodução

O juiz Jones Gattass Dias condenou a incorporadora imobiliária do ex-secretário de Educação de Cuiabá, Rafael Cotrim, a pagar R$ 10 mil de indenização a uma moradora que recebeu uma residência com defeitos estruturais.



 

A cliente contou que adquiriu o imóvel da empresa Cotrim Dias Empreendimentos Imobiliários em junho de 2014, no Residencial Brasil XXI.

 

Cerca de sete meses depois, já em 2015, ela contou que começou a perceber uma série de defeitos na residência, sendo eles: fissuras nas paredes, tomadas soltas, piso manchado, ausência de caixa de passagem, o que ocasiona retorno de água no banheiro e diferença nas medições do imóvel.

 

Ao notar os problemas, a moradora alegou que tentou pedir uma vistoria e conserto por parte da imobiliária, mas a empresa se recusou a arrumar o imóvel. A empresa do ex-secretário disse que este tipo de serviço só poderia ser solicitado no prazo de 180 dias após a entrega do imóvel.

Como os problemas se agravaram, a moradora decidiu entrar na Justiça contra a empresa pedindo indenização por danos morais com pedido de tutela antecipada. Houve uma audiência de conciliação, mas não ocorreu acordo entre as partes.


Acompanhe o nosso trabalho também nas redes sociais;

Siga a nossa página do Colidernews no Facebook.

Acompanhe nossas matérias no Grupo de WhatsApp.

Saiba tudo do nosso site na pagina oficial do Twitter.

Siga o Colidernews também no Instagram.

Faça parte do nosso grupo de notícias no Telegram.

Junte-se a nós também no Grupo do Colidernews no Signal.

 

A defesa da Cotrim Dias & Cia Ltda apresentou contestação às alegações da cliente, afirmando que os defeitos no imóvel foram causados pelo uso combinados com falta de manutenção.

 

A empresa ainda disse que não cometeu nenhum ato ilícito que valeria indenização à moradora e solicitou que o magistrado julgasse improcedente o pedido da autora da ação.

 

O juiz pediu que a Cotrim apresentasse provas de que os defeitos do imóvel não eram consequências de vícios ocultos da construção e acionou um engenheiro civil da CREA/MT para fazer uma perícia no endereço.

Previsão do Tempo - Colíder

°

Máxima: °
Mínima: °

Publicidades

Direitos Reservados |